solenidade consciencia negra 1

Salto, 23 de novembro de 2022

Na terça-feira, dia 22, a Câmara da Estância Turística de Salto realizou solenidade comemorativa ao Dia da Consciência Negra – com a entrega do Troféu Zumbi dos Palmares a Soledade Vieira Ribeiro, Nayara Iris da Silva “Alagbara Yawara” (in memoriam; representada por sua mãe, Adenilze Deziderio da Silva) e Marta Soares Fernandes Lúcio (in memoriam; representada por sua filha Sônia Lúcio), tendo sido indicadas pelo Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial (Compir). Elas receberam o troféu e um vaso de flor das mãos dos vereadores e autoridades presentes.

O presidente da Câmara, vereador Cícero Landim, conduziu os trabalhos da cerimônia, que contou com a participação dos vereadores Daniel Bertani, Fabio Jorge, Edival Pereira Rosa “Preto”, Alessandro Dernival da Silva, Antônio Cordeiro dos Santos, Ezequiel de Souza Damasceno “Kiel”, Gideon Tavares, José Benedito de Carvalho “Macaia”, Henrique Balseiros e Vinícius Saudino de Moraes.

Além de parentes e amigos das homenageadas, a sessão solene também contou com a presença do prefeito de Salto, Laerte Sonsin; da secretária de Ação Social e Cidadania, Mércia Falcini; da diretora do Departamento de Direitos Humanos da Secretaria de Ação Social e Cidadania, Cecília Vicente Mezzalira da Rocha; da presidente do Compir, Silvana Antônio; e do suplente de vereador Michel Oliveira Rodrigues da Silva – os quais fizeram uso da palavra na tribuna, ressaltando a importância do Dia da Consciência Negra.

solenidade consciencia negra 2

Homenageadas: Soledade Vieira Ribeiro, Nayara Iris da Silva “Alagbara Yawara” (in memoriam; representada por sua mãe, Adenilze Deziderio da Silva) e Marta Soares Fernandes Lúcio (in memoriam; representada por sua filha Sônia Lúcio)

 

Sobre as homenageadas:

solenidade consciencia negra 3

SOLEDADE VIEIRA RIBEIRO: Dona Dade, como também é conhecida, nasceu em Rio das Pedras em 05 de junho de 1939. Filha de Maria Vieira e Antonio Justino Vieira, foi casada por 44 anos com Noir Ribeiro. O casal teve sete filhos: Jair Ribeiro (já falecido), Sueli Aparecida Ribeiro, Claudir Benedito Ribeiro, Amadeu Ribeiro Neto, Maria Ariadne Ribeiro, Sandra Aparecida Ribeiro e Claudia Regina Ribeiro. Soledade também é avó de 16 netos, tem 10 bisnetos e dois tataranetos.

Soledade trabalhou na roça e foi vendedora de roupas em Porto Feliz, além de ter vendido verduras no seu quintal. Chegou a Salto com sua família em 1971, com o sonho de ser operária, e trabalhou no setor da linha dura da Eucatex. Ao se aposentar, passou a ser auxiliar de serviços gerais na clínica médica da empresa, onde permaneceu por mais de 10 anos, vindo a se desligar para cuidar da saúde de seu esposo, Noir Ribeiro, já falecido. Após algum tempo, foi proprietária da banca de jornal Sete de Setembro.

Soledade também é conhecida como matriarca da família Morumbi, em virtude do legado deixado por seu esposo: o serviço de fast food Morumbi Lanches. Aos 83 anos, Dona Soledade segue sendo um exemplo para todos os que conviveram e ainda convivem com ela.

 

solenidade consciencia negra 4

NAYARA IRIS DA SILVA “ALAGBARA YAWARA” (in memoriam): Nayara Iris Da Silva nasceu em Salto em 17 de fevereiro de 1986. Filha de Aurélio da Silva e Adenilze Deziderio da Silva, vivia com Jackson Braga e, aos 36 anos, gerou uma filha: Ashanti Mawena da Silva Braga. Era autônoma (trabalhava como esteticista em seu negócio próprio) e também era eletricista de auto.

Nayara foi a primeira secretária, quando foi fundado o COMPIR (Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial). Também conhecida como “Alagbara Yawara” (Ialorixá de Ifá), era compositora e fez seu primeiro samba-enredo aos 12 anos, deixando registrados 14 sambas-enredos – um deles cantado até hoje pelos componentes da Escola de Samba Unidos do Morro. Nayara fundou a Escola de Samba Império Saltense, fazia parte de vários grupos de mulheres negras empoderadas, sendo o mais importante o grupo que resgatava mulheres em situações de risco. Compôs dois raps e fundou o Maculelê Samba Bit, para dar voz a mulheres com vozes maravilhosas, mas sem espaço para soltar suas lindas vozes.

Nayara deixa um legado de ajuda humanitária juntamente com outras grandes mulheres, tanto no brasil como fora do país. Nayara faleceu em 28 de agosto deste ano, aos 36 anos, devido a uma meningite que se agravou por conta de um aneurisma.

 

solenidade consciencia negra 5

MARTA SOARES FERNANDES LÚCIO (in memoriam): Dona Marta ou Martinha, como era mais conhecida, nasceu em Porto Feliz em 13 de maio de 1938. Filha de Francisca Soares e Benedito Fernandes, foi casada com Pedro Lúcio por 54 anos. O casal morou até o fim da vida no Jardim Três Marias. Marta e Pedro tiveram seis filhos: Aparecida (já falecida), Dorival, Eledo, Valéria, Sônia e Cláudio. Também tiveram 11 netos e 12 bisnetos.

Marta trabalhou por muito tempo na roça. Em Salto, foi doméstica na casa da família dos donos da Ótica do Bolinha, localizada na época na Praça 15 de Novembro. Também dedicou parte de seu tempo atuando na Igreja Matriz e depois ingressou no Caminho Neocatecumenal na Paróquia São Benedito, onde permaneceu até o fim da vida sendo participante ativa da comunidade.

Apesar de não ter muito estudo, Marta tocava violão e entoava os cantos do Caminho Neocatecumenal. Já com idade avançada, participou de um grupo de idosas em busca de aprender a escrever o próprio nome, ter sua assinatura e conseguir ler a Bíblia. Dona Marta faleceu em 2007, aos 69 anos de idade.

 

Sobre o Dia da Consciência NegraSegundo informações do site da Biblioteca Nacional, apesar de o dia 20 de novembro ser comemorado há várias décadas por ativistas do movimento negro, somente em 2003 a data foi incluída no calendário escolar nacional. E, em 2011, por meio da Lei Federal nº 12.519, o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra foi instituído. Já de acordo com o site da Fundação Cultural Palmares, foi em 1655, no Quilombo dos Palmares (no atual estado de Alagoas), que nasceu o ícone da resistência negra à escravidão: Zumbi dos Palmares, que, embora tenha nascido livre, foi capturado quando era criança e entregue a um padre católico. Aos 15 anos, voltou a viver no quilombo, pelo qual lutou até a sua morte, em 20 de novembro de 1695 – a data é lembrada em todo o território nacional como o Dia da Consciência Negra.

solenidade consciencia negra 6

Confira na íntegra o vídeo da Sessão Solene:

TV Web: https://bit.ly/3U0xr4s

Facebook: https://bit.ly/3gxKDQH